Pilula Combinada - Dúvidas mais frequentes - Contraceção

Pesquisa

Sections

Pilula Combinada

Tomar a pílula muito jovem é perigoso?

Não existe idade para iniciar a pilula. O início da contraceção depende da necessidade efetiva de contraceção. Uma gravidez durante a adolescência é muito mais grave do que o inicio da pílula na adolescência. Além de que na adolescência o inicio da contraceção hormonal relaciona-se muitas vezes com outras indicações médicas tais como acne, dores menstruais e menstruações abundantes e irregulares.

Pode provocar efeitos secundários?

Como com todos os medicamentos, em maior ou menor extensão, os contracetivos hormonais podem provocar efeitos secundários. Os mais frequentes são cefaleia (dôr de cabeça), náuseas, dor torácica e hemorragia irregular, especialmente ao iniciar a toma da pílula, mas podem desaparecer após dois ou três meses de utilização. Se persistirem, deves consultar o seu médico.

Protege contra doenças sexualmente transmissíveis e SIDA?

Não. Nenhum método contracetivo hormonal protege contra as doenças sexualmente transmissíveis e a SIDA. Deste modo, nas relações de risco, e além do efeito contracetivo, é recomendável utilizar também um preservativo.

Qualquer mulher pode utilizar contracetivos hormonais orais combinados?

Não. É sempre necessário consultares o teu médico. Com ele, poderás decidir qual o método mais adequado ao teu estilo de vida. Normalmente, os contracetivos hormonais podem não ser recomendados nas mulheres que apresentam, por exemplo: cardiopatias (doenças que afetam o coração), alterações na circulação ou coagulação, hipertensão arterial, doenças do fígado, diabetes, nem em mulheres fumadoras com idade superior a 35 anos, obesidade mórbida ou alterações nos níveis de colesterol.

É adequado fazer períodos de "descanso” e deixar de tomar a pílula durante algum tempo?

Não. Não existem evidências de que estes períodos de intervalo tenham alguma utilidade nem vantagens médicas. Também se deve ter em conta que, sem utilizar outro método, estes períodos de intervalo aportam um risco de gravidez não desejada. Algumas mulheres até têm indicação para a toma contínua.

Deve utilizar-se outro método contracetivo durante a semana de intervalo da pílula?

Não é necessário utilizar um método de barreira (preservativo) durante a semana de intervalo, desde que a pílula seja tomada diariamente, de acordo com as recomendações anexas na embalagem do medicamento.

O que fazer em caso de esquecimento da toma de uma pílula?

Se passaram menos de 12 horas, a pílula esquecida deve ser tomada imediatamente e a toma diária normal deve prosseguir até terminar a caixa. Neste caso, a eficácia não diminui. Caso já tenham passado mais de 12 horas, a eficácia contracetiva pode ter diminuído. Neste caso, deves ler o folheto informativo que se encontra na embalagem do teu contracetivo e seguir as instruções. Se tiveres dúvidas, consulta o teu médico.

Tomar a pílula durante muito tempo pode trazer dificuldades em engravidar?

Não. Numa mulher saudável a toma da pílula pode prolongar-se no tempo enquanto for necessário e a mulher o aceite. Trata-se de um método reversível e quando suspensa a mulher retoma a sua capacidade fértil. Algumas vezes após a suspensão da pílula a mulher tem 1 ou 2 ciclos mais irregulares. Isto pode acontecer com a toma da pílula e de outros métodos hormonais e não traduz nenhuma doença ou complicação.

Comecei a tomar a pílula. A partir de quando é eficaz?

Quando inicias o uso da pílula, o momento a partir do qual ela começa a ser eficaz depende do dia do ciclo em que a inicias e do método contracetivo que estavas ou não a utilizar. Deves consultar a tabela que se encontra em "Como funciona a pílula combinada" que explica quando deves iniciar e se é necessário tomar medidas contracetivas adicionais durante os primeiros 7 dias de utilização da pílula.

Quando se começa a tomar a pilula: no primeiro ou no ultimo dia da menstruação?

Deves consultar a tabela que se encontra em "Como funciona a pílula combinada" que explica quando deves iniciar e se é necessário tomar medidas contracetivas adicionais durante os primeiros 7 dias de utilização da pílula.

As pílulas "mais fracas" são menos seguras?

Todas as pilulas que usamos hoje são de baixa dosagem de estrogénios. Temos pílulas com 15, 20, 30 e 35 µg de estrogénios e todas são igualmente eficazes. Aliás a eficácia contracetiva não depende da dose de estrogénios mas sim da progesterona da pilula.

Deve mudar-se de marca de pílula de vez em quando pois o organismo habitua-se e existe risco de perda de eficácia?

Desde que a mulher esteja bem não existe nenhuma necessidade de mudança de composição. A ideia de perda de eficácia com o tempo de toma é completamente errada. A perda de eficácia e o risco de gravidez pode acontecer por irregularidade na toma (esquecimento), vómitos, diarreia, toma de medicamentos tais como alguns antibióticos.

Uma mulher não deve tomar uma pílula sem fazer análises antes?

Uma história clínica adequada, ou seja, uma conversa detalhada entre o profissional de saúde e a mulher é suficiente para perceber se existe alguma doença na mulher ou se na sua família que contra-indique o seu uso ou que coloque uma limitação na toma.

Algumas pílulas fazem secar os ovários e por isso a mulher diminui o volume das menstruações?

Globalmente todas as pílulas diminuem o fluxo menstrual. Esta diminuição é tanto mais acentuada quanto menor for a dose de estrogénios que contenha. O que significa que a mulher que toma uma pílula de 15 µg tem menstruações muito pouco abundantes e pode mesmo ter ciclos sem menstruações. Isto não traduz doença, não traz complicações e até pode ser uma vantagem para muitas mulheres.

Posso tomar a pílula em simultâneo com suplementos para a queda do cabelo?

Os constituintes deste tipo de suplementos (zinco, vitamina D e ácidos gordos essenciais) não interferem com a pílula nem com nenhum dos contracetivos hormonais combinados ou só com progestativos.

Esqueci-me de tomar o último comprimido do ciclo. O que faço? E quando recomeço uma nova embalagem?

Se te esqueceste do último comprimido do ciclo, começa o intervalo um dia mais cedo e retoma a pílula também um dia mais cedo (respeita-se na mesma o intervalo de 7 dias) e assim não se altera a eficácia do método.

Os antibióticos interferem com a pilula?

Durante muito tempo as recomendações internacionais aconselhavam o uso de um método contracetivo adicional (preservativo) aquando da toma da grande maioria dos antibióticos; no entanto não existe evidência científica que suporte esta recomendação a não ser em relação aos antibióticos indutores dos enzimas como a rimfapicina. Todos os restantes antibióticos não indutores aparentemente não interferem com a ação contracetiva da pílula, se bem que alguns trabalhos falem da alteração da flora intestinal pelos antibióticos e que isso possa interferir na absorção da pílula a nivel do intestino. Assim com exceção da rimfapicina, a maioria dos centros recomenda cuidado com a contraceção nos períodos de doença mas aparentemente os antibióticos não interferem com a pílula.

Descobre outros métodos contracetivos

Faz o TesteConhece o Consultório

Related Links

NEWSLETTER
X
A recolha da informação é feita através de uma base de dados da inteira responsabilidade da Performance Sales, Lda.
Os dados submetidos não serão facultados a terceiros.